ENFERMAGE, CIÊNCIAS E SAÚDE

Gerson de Souza Santos - Bacharel em Enfermagem, Especialista em Saúde da Família, Mestrado em Enfermagem , Doutor em Ciências da Saúde - Escola Paulista de Enfermagem - Universidade Federal de São Paulo.

http://pt.slideshare.net/gersonsouza2016

PESQUISE AQUI

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

ACARBOSE


Ações terapêuticas.

Hipoglicemiante.

Propriedades.

A acarbose é um pseudoglicossacarídeo obtido pela biotecnologia, a partir de filtrados do cultivo de actinomicetos, do gênero dos actinoplanos, como metabolismo secundário. Comporta-se como inibidor da alfaglicosidase e perante sua ação reduz o aumento das concentrações de açúcar no sangue depois do ingresso de carboidratos. A acarbose pode ajudar no controle do diabetes mellitus dependente ou não de insulina.

Indicações.

A acarbose é indicada no diabetes mellitus do tipo II, tanto como monoterapia como associada com outros fármacos hipoglicemiantes. Pode ser utilizadas em pacientes com diabetes tipo I, administrada, neste caso, sempre associada com insulina para nivelar as flutuações glicêmicas.

Posologia.

A dose média para adultos é de 300mg a 400mg diários. A dose pode ser aumentada até 900mg diários.

Reações adversas.

Distúrbios gastrintestinais, especialmente flatulência ou meteorismo, devido aos gases presentes no cólon derivados dos carboidratos não-absorvidos. Estes efeitos podem evidenciar-se em maior grau se não for respeitada a dieta ou não se aumentar a dose de maneira gradual.

Precauções.

Quando administrada como monoterapia não produz hipoglicemia. Se esta aparecer quando da utilização de acarbose como tratamento coadjuvante, recomenda-se a administração de glicose.

Interações.

As interações com os hidratos de carbono constituem, certamente, as ações terapêuticas desejadas. Contudo, deverá ser considerada a possibilidade de aparição de diarréias se forem utilizadas doses muito elevadas de sucedâneos do açúcar, como o sorbitol e o xilitol. É significativo o fato de a sacarose não ser adequada para corrigir os estados de hipoglicemia aguda quando se toma acarbose, pois nestes casos produz atraso na sua absorção. Os diabéticos devem, portanto, ingerir glicose para prevenir a hipoglicemia. Quando se administra acarbose como complemento de uma sulfoniluréia, ou se está tratando o paciente com insulina, a dose de um dos medicamentos deverá ser reduzida, de acordo com o decréscimo da glicemia e a fim de evitar as reações hipoglicêmicas. Durante o uso de arcabose, deverá ser evitada a administração concomitante de antiácidos, colestiramina, produtos de absorção intestinal e enzimas digestivas.

Contra-indicações.

Hipersensibilidade ao fármaco. Pacientes menores de 18 anos. Pacientes com doença intestinal crônica, hérnias agudas, tumores intestinais, síndrome de Roemheld. Gravidez e lactação.