ENFERMAGE, CIÊNCIAS E SAÚDE

Gerson de Souza Santos - Bacharel em Enfermagem, Especialista em Saúde da Família, Mestrado em Enfermagem , Doutor em Ciências- Escola Paulista de Enfermagem - Universidade Federal de São Paulo. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Administração de Serviços de Saúde e Gerenciamento de Enfermagem (GEPAG).

PESQUISE AQUI

Carregando...

terça-feira, 18 de agosto de 2015

PERFIL DAS GESTANTES QUE REALIZARAM O PRÉ-NATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO



Apresentação/introdução: A assistência pré-natal tem por objetivo reduzir a morbimortalidade materno-fetal. Exames clínicos e laboratoriais oferecidos durante as consultas de pré-natal permitem identificar situações de risco e agir precocemente, além da assistência recebida no momento do parto, importante determinante para morbimortalidade durante o período neonatal.

Objetivo: Caracterizar o perfil das gestante que realizaram o pré-natal em uma Unidade Básica de Saúde do município de São Paulo-SP.

Metodologia: Trata-se de um estudo retrospectivo, realizado em 108 prontuários das gestantes que realizaram o pré-natal no período de 01/09/2013 a setembro de 01/09/2014 e foram acompanhadas por uma equipe de Saúde da Família. Critérios de inclusão: gestante em qualquer faixa etária; gestantes cadastradas na Unidade Básica de Saúde. Os prontuários foram selecionados de forma aleatória. Utilizou-se um roteiro para a busca de informações sociodemográficas, epidemiológicas e condições de saúde. Os prontuários que não contemplaram os critérios de inclusão foram excluídos da amostra. Os dados foram armazenados em banco de dados com posterior aplicação da analise estatística descritiva.

Resultados: As gestantes que realizaram o pré-natal tinham idade mínima de 15 anos e máxima de 45 anos. 46% eram de cor parda e 21% de cor negra. 61% tinham o ensino fundamental incompleto. 80% eram solteiras, porém com união estável. 77% tinham atividade laboral; 81% tinham renda familiar de 1 a 2 salários mínimos. 30% tinham história de aborto. 25% tinham história de parto cesáreo. 35% eram tabagistas; 20% faziam uso de álcool regularmente. 15% eram usuárias de drogas; 20% foram classificadas como gravidez de risco. 20% desenvolveram hipertensão na gestação. 39% eram primigestas e 57% referiram gravidez indesejada.

Conclusões/Considerações: Os resultados apontam para mulheres jovens na faixa etária de 15 a 26 anos, afrodescendentes, baixa escolaridade, solteiras vivendo em união estável. Renda familiar insuficiente e gravidez indesejada. Na assistência pré-natal, o enfermeiro tem um importante papel na equipe multiprofissional, para a detecção precoce de intercorrências, na educação em saúde.
Modalidade de aprovação: Comunicação Oral Curta
Eixo temático: Relato de Pesquisa