ENFERMAGE, CIÊNCIAS E SAÚDE

Gerson de Souza Santos - Bacharel em Enfermagem, Especialista em Saúde da Família, Mestrado em Enfermagem , Doutor em Ciências da Saúde - Escola Paulista de Enfermagem - Universidade Federal de São Paulo.

http://pt.slideshare.net/gersonsouza2016

domingo, 17 de janeiro de 2010

Infecções Bacterianas da Pele



A pele representa uma barreira notavelmente eficaz contra as infecções bacterianas. Apesar de muitas bactérias viverem sobre a pele, elas normalmente são incapazes de produzir uma infecção. As infecções bacterianas da pele podem afetar apenas uma área, apresentando o aspecto de uma espinha, ou podem disseminar-se em horas, afetando uma grande área. As infecções cutâneas po-dem variar de gravidade, de uma acne sem maior importância a uma condição potencialmente letal (p.ex., síndrome da pele escaldada estafilocócica). Muitos tipos de bactérias podem infectar a pele.

As mais comuns são o Staphylococcus e o Streptococcus. As infecções causadas por bactérias menos comuns costumam ocorrer em hospitais ou em asilos, assim como durante a realização de trabalhos de jardinagem ou quando o indivíduo nada em uma represa, em um lago ou no mar. Algumas pessoas apresentam um risco particular de contrair infecções cutâneas. Por exemplo, os indivíduos com diabetes, pois eles apresentam um fluxo sangüíneo insuficiente para a pele, especialmente das mãos e dos pés, e os indivíduos com AIDS, pois eles apresentam um comprometimento do sistema imune.

A pele lesada por queimaduras solares, arranhões ou outro tipo de irritação também apresenta uma maior probabilidade de tornar-se infectada. De fato, qualquer anormalidade da pele predispõe o indivíduo à infecção. Geralmente, manter a pele intacta e limpa evita as infecções. Quando a pele sofre um corte ou uma escoriação, a lavagem da área com água e sabão ajuda a impedir a infecção. Embora a maioria dos cremes e pomadas antibióticas sejam pouco eficazes para evitar ou tratar infecções cutâneas, alguns cremes mais recentes (p.ex., de mupirocina) são eficazes contra algumas. As compressas quentes podem aumentar o suprimento sangüíneo à área infectada e ajudam a eliminar a infecção restrita a uma área pequena. Quando a infecção dissemina-se, devem ser utilizados antibióticos orais ou injetáveis.

Impetigo

O impetigo é uma infecção cutânea causada por Staphylococcus ou por Streptococcus que se caracteriza pela formação de pequenas bolhas cheias de pus (pústulas). Esta doença afeta sobretudo as crianças e pode ocorrer em qualquer parte do corpo, mas freqüentemente as lesões ocorrem na face, nos membros superiores e inferiores. As bolhas podem ser do tamanho de uma ervilha ou até de anéis grandes. O impetigo pode ocorrer após uma lesão ou uma doença que provoca uma lesão cutânea (e..g., infecção fúngica, queimadura solar ou picada de inseto). O impetigo também pode afetar a pele normal, particularmente nos membros inferiores das crianças. O tratamento precoce pode evitar que o impetigo afete as regiões mais profundas da pele (ectima). Antibióticos (p.ex., penicilina ou cefalosporina) geralmente são administrados pela via oral. Raramente, o impetigo causado por Streptococcus pode acarretar uma insuficiência renal.

Foliculite, Furúnculos e Carbúnculos

A foliculite é uma inflamação dos folículos pilosos causada por uma infecção por Staphylococcus. Nos folículos pilosos, ocorre o acúmulo de uma pequena quantidade de pus, o que faz com que eles se tornem irritados e hiperemiados (avermelhados). A infecção danifica os pêlos, os quais podem ser facilmente arrancados. A foliculite tende a se tornar crônica nos locais em que eles se encontram profundamente enraizados na pele (p.ex., na área da barba). Os pelos rígidos podem encurvar e penetrar na pele, produzindo irritação mesmo sem uma infecção importante.

Os furúnculos são áreas grandes, elevadas, dolorosas e inflamadas causadas por uma infecção por Staphylococcus em torno dos folículos pilosos. Mais freqüentemente, os furúnculos ocorrem no pescoço, nas mamas, na face e nas nádegas e são particularmente dolorosos quando se formam em torno do nariz, das orelhas ou nos dedos. Geralmente, os furúnculos apresentam pus no centro. Geralmente, eles eliminam um exsudato esbranquiçado e discretamente sanguinolento. Alguns indivíduos apresentam furúnculos incômodos e recorrentes (furunculose) e, ocasionalmente, ocorrem epidemias de furúnculos entre adolescentes que vivem em bairros populosos e carecem de uma higiene adequada.

Os carbúnculos são aglomerados de furúnculos que produzem grandes úlceras cutâneas e a formação de cicatrizes. Os carbúnculos evoluem e curam mais lentamente que os furúnculos isolados e podem causar febre e fadiga por se tratar de uma infecção mais grave. Os carbúnculos ocorrem mais freqüentemente nos homens e mais comumente na região posterior do pescoço. Os indivíduos idosos, os diabéticos e aqueles com doenças graves apresentam uma maior tendência a apresentar carbúnculos.

Tratamento

A melhor maneira de se prevenir essas infecções ou a sua disseminação a outros é a manutenção da pele limpa, preferencialmente com sabão líquido contendo um agente antibacteriano. O calor úmido favorece o acúmulo do pus e pode fazer com que o furúnculo drene espontaneamente. Quando um furúnculo ocorre próximo do nariz, o médico comumente prescreve antibióticos orais, pois a infecção pode disseminar-se rapidamente ao cérebro. Quando surgem furúnculos ou carbúnculos, o médico geralmente coleta uma amostra do pus para o exame laboratorial e prescreve um antibiótico oral. Os indivíduos com furúnculos recorrentes podem ter que tomar antibióticos durante meses ou mesmo anos.

Erisipela

A erisipela é uma infecção cutânea causada por Streptococcus. Mais comumente, a infecção ocorre na face, nos membros superiores ou inferiores. Algumas vezes, ela começa em uma área de pele lesada. Surge uma erupção brilhante, vermelha, discretamente inflamada e dolorosa, freqüentemente acompanhada por pequenas bolhas. Os linfonodos em torno da área infectada podem aumentar de volume e tornar-se dolorosos. Os indivíduos com infecções particularmente graves apresentam febre e calafrios. Geralmente, a penicilina ou a eritromicina administradas pela via oral, durante 2 semanas, curam as infecções leves. Quando a infecção é grave, o médico comumente administra primeiro um antibiótico injetável.

Celulite

A celulite é uma infecção disseminada das camadas mais profundas da pele e, algumas vezes, atinge os tecidos localizados abaixo delas. Mais freqüentemente, a celulite ocorre como conseqüência de uma infecção estreptocócica ou, sobretudo após uma lesão de uma infecção estafilocócica. Contudo, muitas outras bactérias podem causar a celulite, especialmente após mordidas de seres humanos ou de animais, ou após lesões produzidas na água. A infecção é mais comum nos membros inferiores e, freqüentemente, inicia com uma alteração cutânea causada por uma pequena lesão, uma úlcera ou uma infecção fúngica entre os dedos dos pés. A celulite causa inflamação, dor, calor e hiperemia. Algumas áreas podem apresentar aspecto de equimose e podem apresentar pequenas bolhas. Os sintomas da infecção podem incluir febre, calafrios, cefaléia e complicações mais graves (p.ex., confusão mental, hipotensão arterial e aumento da freqüência cardíaca). Geralmente, o diagnóstico da celulite é fácil de ser estabelecido, mas a identificação da bactéria responsável pela infecção é uma tarefa mais difícil. Geralmente, o médico coleta uma amostra de sangue (e, às vezes, amostras da pele), enviando o material ao laboratório para a realização de cultura e identificação da bactéria.

Tratamento

O tratamento imediato pode evitar que a infecção se dissemine rapidamente e atinja o sangue e outros órgãos. Freqüentemente, a celulite é tratada com penicilina ou uma droga do tipo da penicilina (p.ex., dicloxacilina). Os indivíduos com celulite leve podem utilizar antibióticos orais. Os indivíduos idosos e aqueles com uma celulite que se dissemina rapidamente, com febre alta ou qualquer outro sinal de infecção grave comumente recebem uma injeção de antibiótico antes de iniciar o tratamento com antibióticos orais. Quando houver infecção dos membros inferiores, estes devem ser mantidos elevados e devem ser realizados curativos com panos úmidos e frios. Se as pernas estiverem infectadas, devese mantêlas elevadas. A aplicação de compressas úmidas e frias aliviam o desconforto e reduzem a inflamação. Quando a celulite retorna, é provável que exista uma condição subjacente (p.ex., pé de atleta) que predispõe o indivíduo a apresentála e esta também deve ser tratada.

Paroníquia

A paroníquia é uma infecção localizada em torno da borda da unha de um dedo da mão ou do pé. A infecção freqüentemente inicia em decorrência de uma ruptura, laceração ou insisão da pele causada por uma ação muito traumática da manicure ou por uma irritação crônica. Como a área da unha possui muito pouco espaço para se expandir, a infecção tende a ser muito dolorosa. Ao contrário da maioria das outras infecções cutâneas, a paroníquia pode ser causada por muitas bactérias diferentes, (incluindo a Pseudomonas e o Proteus) e por fungos (p.ex., Candida).

Tratamento

As compressas quentes e os banhos com água morna ajudam a aliviar a dor e, freqüentemente, facilitam a drenagem do pus. Os banhos com água morna também aumentam a circulação sangüínea, a qual, por sua vez, ajuda no combate da infecção. Algumas vezes, o médico drena a infecção realizando uma pequena incisão na bolsa de infecção (abcesso) com o auxílio de um bisturi. As infecções que podem ser drenadas adequadamente podem não necessitar de antibioticoterapia. Quando a infecção parece estar se disseminando, o médico pode prescrever antibióticos orais. Quando a paroníquia é causada por um fungo, além do banho com água morna, o médico drena a infecção e prescreve um creme antifúngico contendo cetoconazol, ciclopirox ou miconazol. Nos casos graves, um medicamento antifúngico oral é prescrito.

A síndrome da pele escaldada estafilocócica é uma infecção cutânea disseminada na qual a pele descama como se tivesse sido queimada. Certos tipos de estafilococos produzem uma substância tóxica que faz com que a camada superior da pele (epiderme) se separe do resto da mesma. Algumas vezes, as infecções cutâneas causadas por Staphylococcus podem causar a síndrome do choque tóxico, uma condição potencialmente letal.s A síndrome da pele escaldada estafilocócica quase sempre afeta lactentes, crianças jovens e indivíduos com depressão do sistema imune. A equipe hospitalar pode transportar estafilococos (as bactérias infectantes) sobre suas mãos e pode transmitir a bactéria de um lactente a outro, algumas vezes desencadeando uma epidemia em berçários hospitalares.

Sintomas

Comumente, a síndrome da pele escaldada estafilocócica começa com uma infecção isolada e crostosa que pode ser semelhante ao impetigo. A infecção pode ocorrer na área da fralda ou em torno do coto do cordão umbilical durante os primeiros dias de vida do lactente. Nas crianças com 1 a 6 anos de idade, a síndrome pode começar como uma área crostosa sobre o nariz ou as orelhas. Em 1 dia, surgem áreas escarlates em torno da área crostosa. Essas áreas podem ser dolorosas. Além disso, áreas grandes da pele podem tornarse hiperemiadas e formar bolhas que rompem facilmente. A seguir, a camada superior da pele começa a se soltar, freqüentemente em grandes faixas, inclusive quando tocadas levemente ou pressionadas de forma suave. Após um ou dois dias, toda a superfície cutânea pode estar afetada e a criança adoece gravemente, apresentando febre, calafrios e debilidade. Com a perda da barreira protetora da pele, outras bactérias e microrganismos infecciosos podem invadir facilmente o organismo. Também pode ocorrer uma perda importante de líquido em decorrência da exsudação e da evaporação.

Diagnóstico

Ao realizar uma biópsia (coleta de uma amostra de pele para exame microscópico) ou ao obter um fragmento de pele e enviando-o ao laboratório para a realização de cultura, o médico pode diferenciar a síndrome da pele escaldada estafilocócica de doenças semelhantes (p.ex., necrólise epidérmica tóxica, a qual é comumente causada por medicamentos).

Tratamento

Freqüentemente o médico prescreve um antibiótico intravenoso do tipo da penicilina (p.ex., cloxacilina, dicloxacilina ou cefalexina). No entanto, quando a síndrome é diagnosticada precocemente, o médico pode prescrever a forma oral desses antibióticos. Este tratamento deve se mantido pelo menos por 10 dias. Com o tratamento precoce, a cura ocorre em 5 a 7 dias. A pele deve ser manipulada delicadamente para evitar novos descolamentos. Ela deve ser tratada como se tivesse sido queimada. O médico pode aplicar uma compressa protetora. As crianças gravemente afetadas devem ser tratadas na unidade de queimados do hospital.

Eritrasma

O eritrasma é uma infecção das camadas superiores da pele causada pela bactéria Corynebacterium minutissimum. O eritrasma afeta principalmente os adultos e os indivíduos diabéticos. Ela é mais comum nas zonas tropicais. Como uma infecção fúngica, o eritrasma freqüentemente ocorre em áreas onde existe o contato de pele contra pele como, por exemplo, sob as mamas e nas axilas, nas membranas interdigitais dos dedos dos pés e na área genital, especialmente nos homens, onde as coxas entram em contato com a bolsa escrotal. A infecção pode causar o surgimento de manchas rosadas de formas irregulares que podem, posteriormente, tornar-se escamas finas acastanhadas. Em alguns indivíduos, a infecção dissemina-se para o tronco e a região anal. Os médicos podem diagnosticar facilmente o eritrasma, pois o Corynebacterium apresenta um brilho característico de cor vermelho coral sob a luz ultravioleta. Um antibiótico oral (p.ex., eritromicina ou tetraciclina) pode eliminar a infecção. Os sabões antibacterianos também podem ser úteis. O eritrasma pode recorrer em 6 a 12 meses, exigindo um segundo tratamento.