ENFERMAGE, CIÊNCIAS E SAÚDE

Gerson de Souza Santos - Bacharel em Enfermagem, Especialista em Saúde da Família, Mestrado em Enfermagem , Doutor em Ciências da Saúde - Escola Paulista de Enfermagem - Universidade Federal de São Paulo.

http://pt.slideshare.net/gersonsouza2016

PESQUISE AQUI

segunda-feira, 8 de abril de 2013

SÍNDROME DO PÂNICO

O PÂNICO

Muitas  pessoas já se sentiram em “pânico”, uma expressão muito usada na vida diária. “Vi que o dinheiro não ia dar e entrei em pânico!” Neste sentido ele significa medo. Em medicina e psicologia diferenciamos o pânico do medo, e em geral usamos a expressão ”ataque de pânico”.O medo tem um motivo claro, é uma reação vivencial, e o ataque de pânico não. Ele acompanha muitas doenças, especialmente a Síndrome do Pânico, que consiste em um certo numero de ataques de pânico experimentados pelo indivíduo em um determinado período.
Pânico é uma problema da esfera da ansiedade que cerca de uma em cada 75 pessoas podem sentir. Em geral, ele aparece durante a adolescência ou início da idade adulta, quandoentramos na faculdade, casamos, temos filhos, conseguimos trabalho, a responsabilidade aumenta... Há algumas evidências de uma predisposição genética e se um familiar sofreu de transtorno do pânico é maior a incidência nesta família.
Os sintomas de um ataque de pânico incluem:
- Dificuldade para respirar, sensação de ar insuficiente
- Coração  disparado
- Terror que é quase paralisante
- Tonturas, vertigens ou náuseas
- Tremores, sudorese (suor), agitação
- Engasgo, dores no peito
- Arrepios bruscos
- Formigamento nos dedos dos pés
- Medo de que está enlouquecendo ou prestes a morrer
- Sensação de pisar nas nuvens.
Você provavelmente conhece esta sensação. Quando os seres humanos (e muitos de outra espécie) estão em perigo esta é uma resposta normal que prepara o indivíduo para a fuga ou luta. Porém, durante um ataque de pânico, esses sintomas surgemdo “nada”. Ocorrem em situações aparentemente inofensivas, até dormindo. Ela ocorre sem qualquer aviso e sem qualquer forma de pará-la. O nível de temor é desproporcional em relação à situação real, muitas vezes, na verdade, é completamente independente. Ele passa em poucos minutos, o corpo não pode sustentar a "luta ou fuga" mais do que isso. No entanto, os ataques repetidos podem continuar a se repetirem durante horas.
O ataque de pânico não é perigoso em si, mas é aterrorizante pois o indivíduo sente-se para enlouquecer, desesperado, prestes a morrer. Além disso muitas vezes leva a outras complicações, como fobias, depressão, abuso de substâncias, complicações médicas, mesmo suicídio. Seus efeitos podem variar de um leve prejuízo social para uma total incapacidade de conduzir sua vida.
De fato, as fobias que as pessoas com transtorno do pânico desenvolvem não provêm dos receios de objetos ou eventos reais, mas sim do medo de ter outro ataque. Nestes casos, as pessoas vão evitar determinadas situações porque receiam que estas coisas vão disparar outro ataque.
Muitas pessoas experimentam um ocasional ataque de pânico. Provavelmente não há nenhum motivo para preocupação se tiver tido 1 ou 2 ataques. O principal sintoma do transtorno do pânico é o medo persistente de ter futuro ataque de pânico gerando a evitação de locais públicos com muitas pessoas com medo de ter o ataque neste meio, sintoma que chamamos de agorafobia. Muitas pessoas com transtorno do pânico têm comportamento de evitação ou fuga associados ao pânico. Por exemplo, você pode ter um ataque enquanto estiver dirigindo, e começar a evitar a condução até se desenvolver uma verdadeira fobia de dirigir.
Se você sofre de repetidos (quatro ou mais) ataques de pânico, e especialmente se tiver tido um ataque e estiver em contínuo medo de ter outro, esses são sinais de que você deve considerar procurar um profissional de saúde mental.
Todos os grupos étnicos estão vulneráveis ao transtorno do pânico. Por razões desconhecidas, as mulheres são duas vezes mais propensas.

TRATAMENTOS
Transtorno do pânico é altamente tratável, com uma variedade de terapias disponíveis. Estes tratamentos são extremamente eficazes ea maioria das pessoas que tenham concluído com êxito o tratamento pode continuar a experimentar ansiedade normal. Uma vez tratado o transtorno do pânico não leva a qualquer complicação permanente. No entanto, sem tratamento, o transtorno do pânico pode ter conseqüências muito graves.
A parte mais importante do tratamento é a informação, e só esta já é suficiente para tratar muitos pacientes, que conseguem coibir o desenvolvimento de fobias e o auto-controle.
A maioria dos especialistas concorda que uma combinação de farmacoterapia com terapias cognitivas e comportamentais são o melhor tratamento para transtorno do pânico.Medicações anti-ansiedade podem ser prescritos, bem como antidepressivos, e às vezes até mesmo medicamentos para o coração (tais como beta-bloqueadores) que são utilizados para controlar batimentos cardíacos irregulares.
Alem disso a psicoterapia analítica, o autoconhecimento, além de ser uma maneira de evoluir como indivíduo tem como conseqüência a superação desta e de muitas doenças emocionais. É evidente um núcleo de abandono em pessoas com transtornos ansiosos.
Técnicas de relaxamento e outras para o controle da ansiedade são essenciais na vida diaria. Estas técnicas incluem respiração e visualização positiva. Alguns especialistas constataram que as pessoas com transtorno do pânico tendem a ter taxas de respiração um pouco superior à média.  Aprender a “respirar“ pode ajudar a lidar com um ataque de pânico e pode também prevenir futuros ataques.
Por último, um grupo de apoio com outras pessoas que sofrem de transtorno do pânico pode ser muito útil para algumas pessoas. Ele não deve tomar o lugar da terapia.
Se você sofre de transtorno do pânico, estas terapias podem ajudá-lo. Mas você não pode fazê-las em suas próprias; todos esses tratamentos prescritos e deve ser delineada por um psicólogo ou psiquiatra.
Mesmo que o  indivíduo não desenvolva essas fobias extremas, a sua qualidade de vida pode ser severamente danificada pelo transtorno do pânico não tratado. Um estudo recente mostrou que as pessoas que sofrem de transtorno do pânico:
- São mais propensos ao uso de álcool e outras drogas
- Têm maior risco de tentativa de suicídio
- Passam mais tempo nas salas de emergência hospitalar
- Gastam menos tempo com hobbies, esportes e outras atividades de lazer
- Tendem a ser financeiramente dependentes de terceiros
- Relatam sentir-se emocionalmente e fisicamente menos saudável do que não-portadores.
- Têm medo de dirigir mais do que certa distância de casa.
Grande parte do sucesso do tratamento depende da vontade doindivíduo seguir cuidadosamente o tratamento. Não desista.