ENFERMAGE, CIÊNCIAS E SAÚDE

Gerson de Souza Santos - Bacharel em Enfermagem, Especialista em Saúde da Família, Mestrado em Enfermagem , Doutor em Ciências da Saúde - Escola Paulista de Enfermagem - Universidade Federal de São Paulo.

http://pt.slideshare.net/gersonsouza2016

PESQUISE AQUI

terça-feira, 26 de junho de 2012


Epidemiologia da Cefaleia
Epidemiology of Headache


Prevalência
· Cefaleia é a condição neurológica mais prevalente e dentre os sintomas mais frequentemente vistos na
prática clínica. 50% da população geral tem cefaleia durante um determinado ano e mais de 90% refere história de cefaleia durante a vida. A média da prevalência de migrânea ao longo da vida é de 18% e a média estimada da prevalência durante o último ano de 13%. A prevalência de migrânea nas crianças e nos adolescentes é de 7,7%.
· A cefaleia do tipo tensional é mais comum que a migrânea, com prevalência ao longo da vida de
aproximadamente 52%. Contudo, apenas as cefaleias do tipo tensional frequente ou crônica reduzem a capacidade funcional.
· 3% da população geral tem cefaleia crônica, ou seja, cefaleia em ≥15 dias por mês. Estes são os com maior redução na sua capacidade funcional.
Dismorfismo Sexual. A relação entre os sexos na migrânea permanece estável em 2-3 mulheres para cada homem e é geralmente consistente entre os países. O predomínio da cefaleia no sexo feminino inicia-se na puberdade, com mulheres tendo um risco 1,5 maior para desenvolver cefaleia e 1,9 vezes maior para desenvolver migrânea quando comparadas com crianças e adolescentes do sexo masculino. A distribuição da cefaleia do tipo tensional é igual entre os sexos.
Hereditariedade
· A história familiar de migrânea é um dos mais fortes e consistentes fatores de risco para migrânea. Os resultados de estudos realizados com gêmeos sugerem que fatores de risco genéticos subjazem aproximadamente um terço dos grupamentos familiares de migrânea. Na migrânea hemiplégica familiar, mutação em um único gene causa essa condição. As formas comuns de migrânea, com e sem aura, são condições genéticas complexas onde múltiplos polimorfismos genéticos determinam o “limiar para migrânea”. Várias dessas impressões digitais genéticas foram recentemente identificadas em diversos cromossomos em estudos gênicos de associação.
Comorbidades
· Migrânea está fortemente associada a ansiedade e distúrbios do humor, alergias, dor crônica e epilepsia. Migrânea com aura, mas não a migrânea sem aura, é um fator de risco para infarto cerebral e lesões encefálicas silentes encontradas na Ressonância Magnética, particularmente em mulheres com crises frequentes. A presença de ansiedade na infância está associada com o desenvolvimento de cefaleia durante a fase de adulto jovem. Vômitos cíclicos, sonambulismo e cinetose durante a infância são considerados “equivalentes migranosos” e podem anunciar o desenvolvimento de migrânea posteriormente.
Curso e Prognóstico
· A gravidade da migrânea é variável: 25% dos migranosos tem ≥ 4 crises de forte intensidade por mês, 48% tem 1-4 crises de forte intensidade e 38% tem ≤ 1 crise de forte intensidade. O curso da migrânea também é variável: remite em 30% dos indivíduos, persiste em 45% e transforma-se em outros tipos de cefaleia em 25%. De um modo geral, a prevalência de migrânea reduz-se com a idade após os 50 anos e, em mulheres, após a menopausa, a não ser que seja administrada terapia de reposição de estrogênio. Idade de início precoce, estressores psicossociais e comorbidades psiquiátricas podem estar relacionadas com um desfecho menos favorável.
Impacto da Migrânea
· 90% dos migranosos tem alguma redução funcional relacionada à cefaleia, sendo que aproximadamente metade fica incapacitado ou necessita ficar acamado durante a crise. Muitas evidências indicam que a migrânea reduz a “qualidade de vida relacionada a saúde” mais que a
osteoartrite ou o diabetes. Parte da redução funcional nas pessoas com cefaleia pode ser atribuída a condições comórbidas, as quais necessitam ser adequadamente tratadas. Os custos financeiros da cefaleia provêm parte dos custos dos tratamentos diretos, mais muito mais do absenteísmos e redução da produtividade. Os custos médicos diretos anuais nos EUA atribuídos à migrânea foram estimados em 1 bilhão de dólares em 1999. Na Europa (2004, 15 países avaliados), os custos totais da migrânea foram estimados em 25 bilhões de euros por ano, o maior deles dentre as doenças neurológicas, perdendo apenas para demência.