ENFERMAGE, CIÊNCIAS E SAÚDE

Gerson de Souza Santos - Bacharel em Enfermagem, Especialista em Saúde da Família, Mestrado em Enfermagem , Doutor em Ciências da Saúde - Escola Paulista de Enfermagem - Universidade Federal de São Paulo.

http://pt.slideshare.net/gersonsouza2016

PESQUISE AQUI

segunda-feira, 1 de março de 2010

Colesterol baixo pode ser marcador de câncer não diagnosticado


Colesterol baixo pode ser marcador de câncer não diagnosticado



Autora: Roxanne Nelson

Há décadas, pesquisadores têm observado uma aparente associação entre baixos níveis de colesterol e maior incidência e mortalidade gerais de câncer. No entanto, 2 novos artigos publicados na Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention parecem ter colocado de lado esta preocupação e forneceu novas suposições sobre o papel que o colesterol desempenha no câncer.

Alguns especialistas atribuem a associação entre níveis baixos de colesterol e o risco e mortalidade de câncer aumentado para reverter fatores de causalidade – câncer não diagnosticado que provoca uma redução nos níveis de colesterol.

O primeiro dos novos estudos acrescenta provas à hipótese de que o nível mais baixo de colesterol sérico pode ser um marcador de malignidade existente, e não um fator causal. Esse estudo também constatou que as concentrações, resultados de lipoproteína de alta densidade (HDL) foram modestas, mas significativamente associadas a um risco geral reduzido de câncer.


Os resultados desta análise devem ajudar a dissipar quaisquer dúvidas de que o baixo colesterol pode causar câncer.

"Os resultados desta análise devem ajudar a dissipar quaisquer dúvidas de que o baixo colesterol pode causar câncer", disse Eric Jacobs, PhD, diretor estratégico de farmacoepidemiologia da American Cancer Society, durante uma conferência de imprensa que foi realizada para discutir os resultados desses 2 estudos.


"Ele também levanta uma questão interessante sobre se os níveis de colesterol HDL podem reduzir o risco de alguns tipos de câncer", acrescentou o Dr. Jacobs, que é co-autor de um editorial em anexo. "Esta é uma pergunta nova e excitante, mas precisamos fazer muito mais pesquisas antes que tenhamos qualquer resposta clara".

O segundo estudo descobriu que homens com baixos níveis de colesterol circulantes têm um risco reduzido de câncer de próstata de alto grau. Os autores observaram que homens com baixos níveis de colesterol total (<200>odds ratio [OR], 0,41; 95% de intervalo de confiança [CI], 0,22 - 0,77). Globalmente, os participantes com os níveis séricos de colesterol abaixo de 200 mg/dL tiveram uma redução de 59% no risco para a doença de alto grau.

O segundo estudo levanta uma outra questão: será que ter colesterol baixo reduzir o risco de câncer de próstata de grau elevado? "Há evidências crescentes de que isso possa ser verdade, mas as evidências de estudos em seres humanos ainda são limitadas," disse o Dr. Jacobs. "Novamente, mais pesquisas são necessárias antes que nós tenhamos uma resposta clara para esta questão."

Dr. Jacobs observa que os resultados dos dois estudos fornecem uma resposta e levantam duas novas questões. Os resultados do primeiro estudo mostram claramente que níveis baixos de colesterol total têm pouca probabilidade de aumentar o risco de câncer e, ao mesmo tempo, levanta uma preocupação sobre o papel potencial do colesterol HDL elevado na redução do risco de câncer.

Os resultados do segundo estudo evidenciaram preocupações sobre a associação entre o colesterol total baixo e um risco reduzido de doenças de alto grau. "Análises para replicar a associação entre baixos níveis de colesterol total e redução do risco de câncer de próstata de alto grau são bem justificados", segundo o editorial, que tem co-autoria de Susan M. Gapstur, PhD, MPH, também da American Cancer Society.

"As análises das associações entre os níveis de colesterol e uso de drogas redutoras de colesterol com a progressão do câncer de próstata em homens com câncer de próstata de baixo grau localizad também poderia esclarecer o papel do colesterol na carcinogênese da próstata."


Estudo ATBC

No primeiro estudo, os pesquisadores do National Cancer Institute (NCI) e do National Institute for Health and Welfare, em Helsínki, Finlândia, examinara a relação entre o colesterol total e o colesterol HDL e do risco global e local para cânceres específicos entre os participantes inscritos no estudo Alpha-Tocopherol, Beta-Carotene Cancer Prevention (ATBC).

A coorte era composta por 29.093 homens fumantes residentes na Finlândia. O período experimental foi concluído em 30 de abril de 1993, mas o acompanhamento continuou até o diagnóstico, a morte, ou 31 de março de 2003.

O colesterol total e HDL de jejum foram dosados no início, e um total de 7.545 cânceres incidentes foram identificados durante o seguimento, que durou 18 anos.

"Vários estudos têm tentado excluir a causalidade reversa, observando as tendências temporais, mas a maioria não era suficientemente grande ou teve duração insuficiente de acompanhamento para fornecer informações mais definitivas sobre este ponto", disse o autor do estudo Dr. Demétrio Albanes, um pesquisador sênior do NCI, durante a coletiva de imprensa. "Ao mesmo tempo, poucos estudos mencionaram o colesterol HDL e qualquer relação entre o colesterol HDL e o risco de câncer em geral".

"Com este cenário em mente, partimos para melhorar a nossa compreensão científica sobre a relação do colesterol com o câncer", acrescentou.


Marcador de câncer em vez de sua causa

Dr. Albanes e seus colegas descobriram que, em um modelo multivariado, o colesterol sérico total mais elevado esteve associado a uma incidência menor de câncer em geral. Os pacientes no quintil mais alto de concentração sérica de colesterol total apresentaram menor risco geral de câncer do que aqueles no menor quintil (>276,7 versus <203,9>

"Câncer de pulmão, rim e fígado contribuíram substancialmente para esta constatação", disse Dr. Albanes. "No entanto, essa relação desapareceu quando foram excluídos os casos diagnosticados na primeira metade do período de acompanhamento, ou no prazo de 9 anos, quando sua amostra de sangue foi coletada na linha de base".

"Esta descoberta apóia a ideia de que os baixos níveis séricos de colesterol que temos detectado como um possível fator de risco podem realmente ter sido provocados por cânceres diagnosticados", acrescentou.

"Além disso, observou-se uma maior redução no colesterol sérico total desde o início até 3 anos, especificamente entre os casos que foram diagnosticados na metade inicial da observação, ao contrário da última parcela".

Os pesquisadores também observaram que níveis elevados de colesterol HDL foram associados com um risco menor de câncer (> 55,3 versus <36,2>versus o quintil mais baixo, 0,89, 95% CI, 0,83 - 0,97; P = 0,01 ). Este sistema de associação inversa do colesterol HDL foi evidente para os canceres de pulmão, próstata, fígado e hematopoiéticos.


Este é o primeiro estudo a mostrar uma relação significativa entre níveis mais elevados de HDL e menor risco de todos os cânceres combinados.

Este estudo é o "primeiro a mostrar uma relação significativa entre níveis mais elevados de HDL e menor risco de todos os cânceres combinados, com um risco 11% menor para a maior categoria de HDL", afirma Dr. Albanes.

Em contraste com os resultados obtidos para colesterol total, a exclusão dos casos nos primeiros anos de acompanhamento fez que a associação com HDL ficasse mais forte do que fraca, enfatizou. "Assim, o risco 11% menor que observamos há pouco tornou-se 14% a 15% menor na categoria mais alta de colesterol HDL."


Estudo para prevenção de câncer de próstata

No segundo estudo, Elizabeth Platz, ScD, MPH, co-diretora do Cancer Prevention and Control Program no Sidney Kimmel Comprehensive Cancer Center na Johns Hopkins University em Baltimore, Maryland, e colegas avaliaram a associação entre o colesterol baixo e risco de câncer de próstata.

A coorte do estudo prospectivo consistiu de 5.586 homens, 55 anos e mais velhos, que eram participantes do Prostate Prevention Trial e que haviam sido randomizados para o grupo placebo do estudo, entre 1993 e 1996.

Ao contrário de estudos anteriores, observam os autores, o número de casos de alto grau no grupo do placebo deste estudo foi suficientemente grande para permitir a estimativa da associação entre os níveis de colesterol e doença com um escore Gleason de 8 a 10.

Em um estudo anterior, explicou o Dr. Platz, eles observaram que homens que estavam usando drogas com estatina tiveram um menor risco de câncer de próstata avançado, e com acompanhamento a longo prazo, apresentaram menor risco de doença de alto grau, mas houve associação entre uso de estatina e risco geral de câncer de próstata.


Associação ao escore de Gleason de 8 a 10

Um total de 1.251 casos de câncer de próstata foram identificados: 993 casos, com uma pontuação de Gleason de 2 a 6, 199 casos com um escore de Gleason de 7, e 59 casos com um escore de Gleason de 8 a 10. Embora uma associação tenha sido observada entre baixos níveis de colesterol e Gleason de 8 a 10, nenhum foi observado para o risco geral de câncer de próstata (OR, 0,97, 95% CI, 0,85 - 1,11).

Além disso, não foi observada associação da doença com uma pontuação de Gleason de 2 a 6 (OR, 1,03; 95% CI, 0,89-1,18) ou com uma pontuação de Gleason de 7 (OR, 0,93; 95% CI, 0.69-1.24).

"Nossos resultados confirmam o trabalho prévio que fizemos e são compatíveis com os resultados que nós tivemos com a estatina e câncer de próstata," disse o Dr. Platz.

O próximo passo poderia ser a de não estudar apenas o colesterol total, mas também a relação com o HDL alto e colesterol de baixa densidade baixo, disse ela. Um outro passo poderia ser "avaliar se a redução do colesterol, em vez de colesterol baixo como o estado normal, poderia explicar essa relação", acrescentou ela.


Ambos os estudos foram financiados pelo National Institutes of Health. Os autores e editores não revelaram relações financeiras relevantes.


Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2009;18:2805-2806, 2807-2813, 2814-2821.

Copyright 2010 WebMD, Inc. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a republicação, redistribuição, propagação ou disseminação do Conteúdo Medscape ou do Conteúdo Medcenter sem a prévia autorização por escrito de WebMD.