ENFERMAGE, CIÊNCIAS E SAÚDE

Gerson de Souza Santos - Bacharel em Enfermagem, Especialista em Saúde da Família, Mestrado em Enfermagem , Doutor em Ciências da Saúde - Escola Paulista de Enfermagem - Universidade Federal de São Paulo.

http://pt.slideshare.net/gersonsouza2016

terça-feira, 13 de outubro de 2009

ANTI-INFLAMATÓRIOS


FÁRMACOS ANTI-INFLAMATÓRIOS
Introdução.
Enquanto a palavra inflamação é derivada do latim in significando "em" associado a flamma que significa "fogacho" (calor e rubor) + o sufixo ação (atividade), no termo anti-inflamatório é acrescentado o prefixo derivado do grego anti que significa "contra" a inflamação. Como a inflamação geralmente provoca o edema e outras alterações que afetam as terminações nervosas provocando a dor, a melhora da inflamação leve a moderada diminui a sensibilidade dolorosa, tendo os anti-inflamatórios, portanto, também ação analgésica. A palavra analgésico deriva de analgesia, do grego an que significa "sem", e, de algon, significando "dor". A inflamação é desencadeada pela liberação de mediadores químicos originados nas células migratórias e nos tecidos lesados. A inflamação pode ser uma resposta protetora e normal quando causada por agentes microbiológicos, por substâncias químicas ou por trauma físico podendo ser benéfica. Entretanto, a inflamação pode ser também provocada impropriamente por um agente inócuo ou por doença auto-imune, como ocorre na Artrite Reumatóide, sendo lesiva ou deletéria. As doenças auto-imunes são provocadas pelo ataque do sistema imune do organismo a seus próprios tecidos, ou seja, são provocadas por respostas imunes inadequadas. Os mediadores químicos variam de acordo com o processo inflamatório. Os fosfolipídios das membranas plasmáticas liberados pela destruição das células (por exemplo, dos neutrófilos, e, dos monócitos) podem ser transformados no ácido araquidônico em seus derivados, quase sempre através de enzimas especificas, levando a formação de mediadores químicos que participam do processo inflamatório, conforme resumo do esquema no final desta Apostila. A escolha e a via de administração dos medicamentos analgésicos dependem da natureza e da duração da dor. Geralmente, a dor leve e moderada é tratada com os fármacos anti-inflamatórios não esteróides denominados como AINEs (por exemplo, cefaléia, dismenorréia, dor articular e/ou muscular). A dor aguda intensa (devido a queimaduras, pós-operatórias, fraturas ósseas, câncer, artrite grave) é tratada com derivados da morfina, denominados opióides. A dor neuropática crônica (por exemplo, devido a amputação de extremidades) que não responde aos opióides é tratada com fármacos antidepressivos tricíclicos. Mas, devido a possibilidade de efeitos adversos dos fármacos anti-inflamatórios, inicialmente, deve-se considerar as opções não farmacológicas para o tratamento de problemas músculoesqueléticos comuns, como a perda de peso (para pacientes que se encontram acima do peso), e, a fisioterapia.
FÁRMACOS ANTI-INFLAMATÓRIOS
Os antiinflamatórios são classificados em: Antiinflamatórios não-esteróides (AINEs) – fármacos úteis no tratamento da Artrite (fármacos anti-inflamatórios de ação lenta) - fármacos úteis no tratamento da Gota – esteróides. Os nomes entre parênteses e em itálico correspondem aos nomes comerciais dos medicamentos ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO-ESTERÓIDES (AINEs) OU ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO HORMONAIS Os AINEs correspondem ao grupo de fármacos que se apresentam quimicamente diferentes, inclusive diferem em suas atividades antipirética, analgésica e antiinflamatória, inibindo as enzimas da via cicloxigenase, sendo excelentes medicamentos para tratar os efeitos indesejáveis causados pela resposta inflamatória. Diminuem o edema, a hiperemia, a febre, a dor e a rigidez; com melhora substancial na qualidade de vida do paciente. Estes antiinflamatórios são utilizados em variadas formas de inflamações, seja traumáticas ou provocadas por diferentes patologias, por exemplo, a Osteoartrite e a Espondilite anquilosante. A expressão atividade antipirética tem sido mais indicada do que “antitérmica”, porque antipirética significa que o fármaco controla apenas o aumento patológico da temperatura, e, os AINEs não tem qualquer efeito sobre a hipertermia fisiológica, por exemplo, a hipertermia provocada por exercício violento. Mas, apesar de geralmente seguros, podem levar a vários efeitos adversos, que variam desde uma simples dispepsia até a morte por uma úlcera perfurada ou hemorragia. Seu uso, portanto, deve ser criterioso e bem indicado para que possa proporcionar mais benefícios do que riscos ao paciente. Sua administração sempre deve ser monitorizada com exames laboratoriais complementares, com especial atenção à função hepática, renal e hemograma. Atualmente, tem sido recomendado o uso de AINE misturado com a refeição para evitar ou reduzir os efeitos colaterais gastrintestinais. Os fármacos anti-inflamatórios não-esteróides são classificados em grupos de acordo com a substancia que levou aos respectivos derivados:
DERIVADOS DO ÁCIDO SALICÍLICO - DERIVADOS DA PIRAZOLONA - DERIVADOS DO PARA-AMINOFENOL - DERIVADOS DO ÁCIDO ACÉTICO - DERIVADOS DO ÁCIDO ENÓLICO - DERIVADOS DO ÁCIDO FENILANTRANÍLICO - DERIVADOS DO ÁCIDO PROPIÔNICO - INIBIDORES SELETIVOS DA ENZIMA CICLOXIGENASE-2. DERIVADOS DO ÁCIDO SALICÍLICO: SALICILATO DE METILA (Calminex H) – uso externo SALICILATO DE SÓDIO (A saúde da Mulher) uso oral (em desuso) ASPIRINA (AAS) (Ronal) (Bufferin) (AspirinaPrevent) Usos: Anti-inflamatório – antipirético – analgésico – aumenta ventilação alveolar (doses terapêuticas) – diminui a agregação plaquetária – prevenção da angina pectoris e do infarto do miocárdio – prevenção do câncer de colo e do reto.
A aspirina tem sido classificada por alguns autores como droga cardiovascular devido a importante ação antiplaquetária inibindo de forma irreversível a agregação plaquetária (acetila
irreversivelmente a enzima cicloxigenase, único AINE que inibe a agregação plaquetária, e, a
desgranulação de forma irreversível), diminuindo a incidência de angina pectoris, e, infarto do
miocárdio em pacientes predispostos a estas doenças. Enquanto com os demais AINEs o
efeito somente é mantido enquanto estes fármacos permanecem no plasma, com o uso da
aspirina a recuperação da hemostasia normal depende da produção de novas plaquetas
funcionantes, que ocorre após 7 a 10 dias (fato que deve ser lembrado antes de cirurgias).
Estudos recentes têm verificado que doses de aspirina superiores a 325 mg provocam a
inibição da síntese de prostaciclinas no endotélio, provocando, portanto, efeito contrário à
prevenção do infarto agudo do miocárdio, pois, a prostaciclina inibe a agregação plaquetária,
e, leva a vasodilatação.
O uso externo é indicado para hiperqueratoses, calos e erupções causadas por fungos.
Efeitos adversos: Desconforto epigástrico – náuseas - vômitos – em infecções virais pode provocar em
crianças <>Provocam retenção de sódio, cloro e água ao nível renal, reduzindo o volume urinário e
aumentando o volume plasmático, o que pode levar a alteração cardíaca.
Os efeitos adversos mais freqüentes são: náuseas, vômitos, erupções cutâneas e desconforto
epigástrico. Pode também ocorrer diarréia, insônia, vertigem, visão turva, euforia ou
nervosismo, e, hematúria.
Reduz a captação de iodo pela tireóide podendo levar ao hipotireoidismo.
Os efeitos mais graves são a agranulocitose e a anemia aplástica.
Inclusive têm ocorrido casos de agranulocitose com o uso da dipirona (alguns autores
denominam de metamizol) com doses baixas, assim como, após diversas semanas de
tratamento ou quando volta a usar a medicação após a suspensão durante algum tempo. Tem
sido criticado o uso da dipirona como analgésico, recomendando que somente deve ser
utilizado em convulsões febris em crianças ou em doenças que provoque a febre, e, não seja
possível controlar a febre por outro meio ou fármaco.
DERIVADOS DO PARA-AMINOFENOL
São considerados não-narcóticos porque não causam tolerância nem dependência física.
PARACETAMOL OU ACETAMINOFENO (Tylenol) (Dôrico)
(A FENACETINA pertence a esse grupo, mas, é considerada em desuso devido à toxicidade
para o rim)
Usos:
Analgésico – antipirético. Utilizado em crianças em infecções virais (incluindo a catapora)
pois, não provoca a Síndrome de Reye.
Pode ser usado em pacientes com a doença Gota.
Apresenta fraca ação anti-inflamatória porque em tecidos periféricos tem menor efeito sobre a
cicloxigenase (alguns autores não consideram o paracetamol como AINE verdadeiro), mas, no
SNC tem ação efetiva sendo utilizado como analgésico e antipirético.
Não apresentam também ação plaquetária e nem tem efeito no tempo de coagulação, e,
apresenta a vantagem sobre a aspirina de não ser considerada irritante para o trato
gastrintestinal.
A via de administração é oral.
Efeitos adversos:
Em doses terapêuticas são mínimos os efeitos adversos, como erupções cutâneas e reações
alérgicas que raramente ocorrem.
A longo prazo pode provocar necrose tubular renal e coma hipoglicêmico.
O risco mais grave ocorre com doses altas que pode provocar a hepatoxicidade e levar ao
óbito (devido a reações bioquímicas reagindo com os grupamentos sulfidrila das proteínas
hepáticas formando reações covalentes, o que leva a formação do metabólito Nacetilbenzoquinona).
Os sintomas da toxicidade do paracetamol são:
Náuseas, vômitos, dores abdominais, sonolência, excitação, e, desorientação.
Em casos de uso de doses altas, dentro de dez horas após a administração do paracetamol, a
administração de N-acetilcisteína pode ser salvadora, pois, a N-acetilcisteína contém
grupamentos sulfidrila aos quais o metabólito tóxico pode ligar-se.
DERIVADOS DO ÁCIDO ACÉTICO (ou arilacético):
INDOMETACINA (Indocid)
ACECLOFENACO (Proflam)
SULINDACO (Clinoril)
DICLOFENACO (Voltaren) (Cataflam)
Usos:
Potente anti-inflamatório (mais do que a aspirina) – em casos agudos dolorosos como artrite
gotosa aguda, espondilite anquilosante e osteoartrite coxo-femural, controle da dor associada
a uveíte e/ou pós-operatório de cirurgia oftalmológica.
Em neonatos prematuros a indometacina tem sido utilizada para acelerar o fechamento do
ducto arterioso patente.
(Geralmente, não deve usado para baixar a febre, exceto quando a febre é refratária a outros
antipiréticos como na Doença de Hodgkin)
A via de administração é oral ou retal.
Efeitos adversos:
Metade dos pacientes tratados apresentam efeitos adversos, como: náuseas, vômitos, anorexia,
diarréia e dor abdominal, podendo levar a ulceração do trato gastrintestinal (TGI), inclusive
perfuração e hemorragia.
No SNC pode provocar a cefaléia frontal, tontura, vertigem e confusão mental.
O uso prolongado de indometacina e fenilbutazona em pacientes acometidos pela osteoartrose
no quadril pode levar à necrose asséptica na cabeça femural.
Embora raramente, pode também ocorrer pancreatite aguda, hepatite, icterícia, neutropenia,
trombocitopenia, e, anemia aplásica.
Como interações medicamentosas, a indometacina pode reduzir o efeito anti-hipertensivo de
inibidores da enzima de conversão da angiotensina (por exemplo, o captopril), da prazosina,
da hidralazina, do propranolol, e, da ação de diuréticos como da furosemida e da
hidroclorotiaziada.
O uso de penicilinas (em geral) pode aumentar a toxicidade da indometacina.
DICLOFENACO (Voltaren) (Cataflam)
Também é um derivado do acido acético, e, tem atividade analgésica, antipirética e
antiinflamatória, sendo útil para o tratamento de curta duração das lesões musculoesqueléticas
agudas, das tendinites, das bursites, da dor do pós-operatório e da dismenorréia, e, pode ter
uso crônico em pacientes com Artrite Reumatóide, Osteoartrite e Espondilite anquilosante.
Além da via oral e retal, também é usado por via oftálmica.
Cerca de 40 a 50% do diclofenaco são biotransformadas na primeira passagem pelo fígado
(meia-vida curta) em 4-hidroxidiclofenaco que tem fraca ação antiinflamatória, embora a
concentração nos locais inflamados tenha a duração de 12 a 24 horas. Assim, pela via de
administração intramuscular, o fármaco alcança maior concentração sistêmica, e, no local da
inflamação.
Alguns estudos indicam que o diclofenaco potássico (sal potássico) tem ação mais rápida
(sendo inclusive mais indicado para a dismenorréia), e, que o diclofenaco sódico (sal
sódico) tem ação mais duradoura. Por via oral, o diclofenaco tem melhor absorção na
presença de alimentos.
Efeitos adversos:
Apresenta efeitos gastrintestinais semelhantes aos demais AINEs, e, pode provocar aumento
dos níveis de enzimas hepáticas.
Síndrome de Nicolau.
A necrose tecidual local induzida pela aplicação intramuscular de certos fármacos, como os
antiinflamatórios não esteroidais (incluindo o diclofenaco), e, as penicilinas, é denominada
Síndrome de Nicolau. Trata-se de uma dermatite de observação pouco freqüente, descrita
inicialmente por Nicolau em referência a injeção intra-arterial acidental de sais de bismuto em
suspensão oleosa, na era pré-penicilínica, para o tratamento da sífilis. Posteriormente, foram
descritos casos relacionados à aplicação de outros fármacos distintos do bismuto.
Embora sua etiologia não esteja completamente elucidada, a Síndrome de Nicolau, muitas
vezes está associada à injeção intra-arterial acidental do medicamento. Os sintomas e sinais
clínicos da Síndrome incluem dor imediata no local da aplicação, seguida de escurecimento,
e, edema; sintomas de embolia arterial ocorrem nas extremidades inferiores, podendo evoluir
para necrose; alguns pacientes podem desenvolver complicações graves, incluindo septicemia,
e, coagulação intravascular disseminada. Acidentes isquêmicos após injeções intramusculares
não são raros e, devido à relativa ineficácia das medidas terapêuticas existentes, os efeitos
podem ser graves, e, mutilantes.
Em pesquisa na literatura, foram encontrados 33 casos descritos de Síndrome de Nicolau
relacionados ao diclofenaco intramuscular. Destes casos, dezesseis ocorreram no Brasil, 22 após a administração de apenas uma dose de 75 mg (uma ampola); 19 envolveram a região
glútea, e, quatro pacientes faleceram em decorrência da reação.
Os prescritores devem avaliar cuidadosamente a relação risco/benefício antes de indicarem o
uso do diclofenaco intramuscular. Este medicamento não deve ser usado para condições
triviais ou quando a administração oral for possível. A via retal (supositórios) deveria ser
considerada como primeira alternativa, antes da via intramuscular, quando o alívio da dor for
inadequado pela via oral. Reações adversas sérias são menos comuns com o uso da via retal.
Interações medicamentosas do diclofenaco:
Aumenta o efeito dos anticoagulantes orais, e, da heparina, e, aumenta a toxicidade da
digoxina, do lítio, e, dos diuréticos poupadores de potássio. Diminui o efeito terapêutico de
outros diuréticos. Pode aumentar ou diminuir os efeitos de hipoglicemiantes orais.
DERIVADOS DO ÁCIDO ENÓLICO ou OXICAMS:
PIROXICAM (Feldene)(Inflamene)
TENOXICAM (Tilatil)(Tenotec)(Tenoxen)
MELOXICAM (Inicox) (Meloxil) (Movatec) (Leutrol)
BETA-CICLODEXTRINA-PIROXICAM (Brexin) (Flogene)(Cicladol)
Possui a vantagem de ter a meia-vida mais longa, e, apenas cerca de 20% dos pacientes
apresenta efeitos adversos, entretanto, aumenta o tempo de coagulação e pode interferir na
eliminação renal de lítio. O piroxicam tem a meia-vida de 50 horas (faixa de 30 a 86 horas), o
tenoxicam tem a meia-vida plasmática de 70 horas, e, o meloxicam tem a meia-vida de cerca
de 20 horas.
Além de serem usado para o tratamento das doenças inflamatórias, principalmente o
piroxicam é também utilizado no tratamento das lesões musculoesqueléticas, na dismenorréia,
na dor do pós-operatório.
O piroxicam e o tenoxicam podem levar as interações medicamentosas semelhantes as que
ocorrem com o diclofenaco, mas, o meloxicam não interage com a maioria dos medicamentos
que interagem com o diclofenaco, como a digoxina, furosemida e outros.
DERIVADOS DO ÁCIDO FENILANTRANÍLICO:
ÁCIDO MEFENÂMICO (Ponstan)
O principal uso tem sido na dismenorréia devido a ação antagonista nos receptores da PGE2 e
PGF2alfa.
A via de administração é oral.
A limitação tem sido a diarréia e inflamações intestinais, e, tem sido relatados casos de
anemia hemolítica.
DERIVADOS DO ÁCIDO PROPIÔNICO (ou ácido fenilpropiônico):
NAPROXENO (Naprosyn)(Flanax) - IBUPROFENO (Artril)(Artrinid)(Dalsy)
CETOPROFENO (Profenid) – FLURBIPROFENO (Ocufen) (Targus)
INDOPROFENO (Flosin) – FLURBIPROFENO (Ocupen) (Targus)
FENOPROFENO (Algipron) (Trandor) – LOXOPROFENO (Loxonin)
PRANOPROFENO (Difen)
Usos:
Apresentam potência semelhante à indometacina como anti-inflamatório, analgésico e
antipirético, e, a baixa toxicidade leva a melhor aceitação por alguns pacientes, com menor
incidência de efeitos adversos do que a aspirina e a indometacina.
O naproxeno sódico é absorvido mais rapidamente, e, o pico da concentração plasmática
ocorre em período mais curto do que a forma não sódica.
Alteram a função plaquetária e o tempo de sangramento, especialmente o naproxeno.
Não alteram os efeitos dos hipoglicemiantes orais.
Vias de administração: oral – retal – parenteral – transdérmica.
Efeitos adversos:
Semelhantes aos da aspirina, porém em incidência muito menor.
Pode reduzir o efeito anti-hipertensivo de diuréticos tiazídicos, de alça (furosemida), de
agentes beta-bloqueadores, e, de inibidores de ECA.
INIBIDORES SELETIVOS DA ENZIMA CICLOXIGENASE-2:
NIMESULIDA (Nisulid) (Scaflam) – CELECOXIB (Celebra)
ETORICOXIB (Arcoxia) – VALDECOXIB (Bextra)
Estes fármacos têm a ação específica sobre a enzima cicloxigenase-2 (COX-2) sendo também
conhecidos como coxibes.
Usos:
Antiinflamatórios – analgésicos – antipiréticos
Devido a ação seletiva sobre a cicloxigenase-2, a incidência de efeitos gastrintestinais é
inferior a 20% dos casos, entretanto, os coxibes não são mais eficazes como antiinflamatório e
analgésico do que os AINEs convencionais, e, não tem ação plaquetária, portanto, não podem
substituir a aspirina na prevenção de doença coronariana, pois, não reduzem a produção
endógena do tromboxano A2, que é o principal produto da enzima COX-1 plaquetária,
causando a agregação plaquetária, vasoconstrição e proliferação vascular.
No ano de 2004, o fabricante do Rofecoxib (Vioxx) retirou do mercado este medicamento
devido à incidência de efeitos adversos tromboembólicos graves (infarto agudo do miocárdio,
e, AVC isquêmico), e, estudos recentes têm demonstrado que a COX-2 é a principal geradora
da prostaciclina (uma das prostaglandinas) no endotélio que inibe a agregação plaquetária,
causa a vasodilatação, e, inibe a proliferação de células do músculo liso vascular (in vitro).
Assim, a inibição da síntese da prostaciclina (provocada por estes inibidores da COX-2) pode
levar ao aumento da pressão arterial, e, aceleração da aterogênese (devido a ação do
tromboxano que tem a produção estimulada enzima COX-1 e que não é inibida pelo coxibe),
sendo recomendada cautela com o uso dos demais fármacos deste grupo.
O alto custo também tem limitado o uso destes medicamentos.
FÁRMACOS ÚTEIS NO TRATAMENTO DA ARTRITE REUMATÓIDE
(Fármacos anti-inflamatórios de ação lenta).
Quando não se consegue controlar a inflamação ou não são bem tolerados os AINE, usamos
outros medicamentos são utilizados os fármacos de ação lenta no tratamento da artrite
reumatóide. Geralmente, o inicio de ação ocorre depois de 3 a 4 meses de uso, tendo ação
protetora e gradual, e, não atuam sobre os derivados do ácido araquidônico, portanto, não
possuem atividade analgésica e nem são primariamente anti-inflamatórios.
Os principais fármacos que fazem parte deste grupo, são: Sais de ouro – cloroquina –
hidroxicloroquina – D-penicilamina – metotrexato.
SAIS DE OURO:
AURANOFINA (Ridaura) – com 29% de ouro – uso oral
AUROTIOGLICOSE (Solganal) – com 5% de ouro – uso IM
TIOMALATO SÓDICO DE OURO (Myochrysine) – com 50% de ouro – uso IM
São captados pelos macrófagos suprimindo a fagocitose, e, a atividade enzimática dos
lisossomas o que retarda o progresso da destruição articular e óssea.
Usos:
Na artrite reumatóide que não responde aos AINEs, especialmente nos casos de progressão
rápida e em fases precoces.
Efeitos adversos:
Dermatite cutânea ou de mucosa, principalmente oral. Proteinúria, nefrose, e, raramente
agranulocitose e anemia aplásica.
São contra-indicados em pacientes grávidas e/ou com comprometimento hepático ou renal.
CLOROQUINA (Palustar)(Diclokin) - HIDROXICLOROQUINA (Plaquinol)
Inibem a síntese de ácidos nucléicos, estabilizam a membrana dos lisossomas e aprisionam
radicais livres.
Usos: Na artrite reumatóide que não respondem aos AINEs isoladamente, podendo ser usados
juntamente com AINEs. Retardam o progresso das lesões erosivas ósseas, podendo
proporcionar a remissão dos sintomas.
São fármacos utilizados principalmente no tratamento da malária.
D-PENICILAMINA (Cuprimine)
Consiste em um análogo do aminoácido cisteína que retarda o progresso da destruição óssea e
da artrite reumatóide, inclusive os níveis do fator reumatóide (Ig M) diminuem com a sua
administração.
Usada quando fracassa os sais de ouro, e, antes de tentar o uso de corticosteróides.
A D-penicilamina também é usada no tratamento de envenenamento por metais pesados.
Uso oral.
Efeitos adversos: Erupções dermatológicas, nefrite, anemia aplásica.
METOTREXATO (Methotrexate)
Trata-se de um imunossupresor utilizado em artrite reumatóide grave sem resposta adequada
aos AINEs, e, a pelo menos um dos agentes de ação lenta.
Quimioterápico utilizado em alguns tipos de neoplasias malignas.
A resposta ao metotrexato ocorre em 3 a 6 semanas após o inicio do tratamento.
Uso oral e parenteral.
Efeitos adversos:
Ulcerações de mucosas e náuseas.
Com a administração crônica pode ocorrer leucopenia, e cirrose hepática, e, pode constituir
risco de recidiva da tuberculose.
FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA DOENÇA GOTA
Os fármacos utilizados no tratamento da doença Gota são: Colchicina – alopurinol -
probenecida e sulfinpirazona.
COLCHICINA (Colchis)
Consiste em um alcalóide que diminui a migração de granulócitos para a área afetada (inibe a
migração de neutrófilos), bloqueia a divisão celular, e, inibe a liberação de leucotrienos.
A colchicina é extremamente tóxica se administrada de maneira inadequada devido aos
seguintes fatores:
- Tem a capacidade de inibir as células mitóticas na metáfase, sendo principalmente afetadas
as células em divisão rápida, como as da pele, do cabelo, e, da medula óssea;
- Pode também afetar o sistema endócrino, assim como outros sistemas regulados pelo
sistema nervoso autônomo devido diminuir a atividade das células secretoras, e, inibir o
movimento das substancias secretadas para fora das células.
Usos:
Específica para a doença Gota, serve como teste diagnóstico, e, deve ser usada somente no
tratamento das crises agudas, não devendo ser utilizada como terapia profilática.
A via de administração é oral.
Efeitos adversos:
Náuseas, vômitos, dor abdominal e diarréia.
A administração crônica pode levar a miopatia, agranulocitose, alopecia, e, anemia aplásica.
ALOPURINOL (Zyloric)
É um análogo da purina que reduz a produção de ácido úrico inibindo a ação da enzima
xantina-oxidase (enzima fundamental para o catabolismo da hipoxantina, e, da xantina que
leva a formação do ácido úrico),
Usos:
Na hiperuricemia devido a Gota ou provocada por certas neoplasias ou com doença renal que
em ocorrem grande produção de purinas.
Na Gota, inicialmente deve associar a colchicina e AINEs.
Efeitos adversos:
Náuseas, dor abdominal, diarréia, e, posteriormente, (não muito freqüente) erupções cutâneas.
PROBENECIDA e SULFINPIRAZONA
Promovem a excreção de uratos bloqueando a reabsorção de ácido úrico no túbulo proximal.
A probenecida é também usada para aumentar os níveis da penicilina, e, inibe também a
eliminação de naproxeno, cetoprofeno e indometacina.
Os efeitos adversos são: Dor abdominal e desconforto gástrico.
ESTERÓIDES
Os esteróides ou hormônios esteroidais compreendem os hormônios do córtex adrenal
(glicocorticóides e mineralocorticóides), e, os hormônios sexuais (andrógenos, progestágenos
e estrógenos). Entretanto, somente os glicocorticóides apresentam atividade anti-inflamatória
importante, além de suprimir a imunidade.
Os glicocorticóides endógenos são produzidos a partir do colesterol, sendo a medula adrenal
estimulada pelo ACTH.
Foram desenvolvidos vários fármacos derivados semi-sintéticos dos glicocorticóides, e,
indiretamente bloqueiam a liberação do ácido araquidônico devido estes fármacos
estimularem a produção da lipocortina que tem a ação de inibir a enzima fosfolipase A2,
responsável pela transformação dos fosfolipídios em ácido araquidônico. Os corticosteróides
também estabilizam a membrana celular do mastócito, e, dos leucócitos evitando ou
diminui a liberação de histamina assim como de fatores quimiotáxicos, e, de mediadores
inflamatórios, o que reduz o influxo de leucócitos para o local da inflamação.
Portanto, a inflamação é acentuadamente reduzida com o uso de glicocorticóides que também
tem a ação de evitar que os neutrófilos migrem até o local da inflamação, embora os
glicocorticóides aumentem o número de neutrófilos circulantes.
Os glicocorticóides ligam-se a receptores intracelulares citoplasmáticos específicos nos
tecidos-alvos. O complexo hormônio-receptor desloca-se para o núcleo, onde como fator de
transcrição ativando ou desativando genes, a depender do respectivo tecido.
Usos:
Os glicocorticóides são utilizados na terapia inflamatória e imunossupressora em
variadas patologias, como: doenças auto-imunes, inflamatórias, asma, distúrbios alérgicos,
do colágeno, dermatológicos, gastrintestinais, hematológicas, oftálmicas, orais, respiratórias.
Os glicocorticóides são também utilizados no tratamento do choque, de doenças neurológicas,
da síndrome nefrótica, de alguns tipos de neoplasias, de tireoidite não-supurativa, de tumores
císticos de tendão ou aponeurose, redução de edema cerebral e, profilaxia e tratamento de
rejeição de órgão em transplante.
Outra indicação para o uso de glicocorticóides consiste em gestante com possibilidade de
parto prematuro e com maturação inadequada dos pulmões, com o objetivo de acelerar o
processo fisiológico (neste caso, o agente de eleição é a betametasona).
As vias de administração dependem da natureza da doença e da condição do paciente, e,
podem administrados por via oral – parenteral – tópica – oftálmica – inalatória – intraarticular
– retal. A via retal é usada em inflamações intestinais, e, a via tópica é utilizada em
distúrbios dermatológicos.
De acordo com as potências, os glicocorticóides são classificados em: glicocorticóides de
ação curta (8 a 12 horas) – de ação intermediária (12 a 36 horas) – de ação longa (36 a 72
horas).
Glicocorticóides de ação curta: Cortisona – hidrocortisona (Solu-Cortef) (Stiefcortil)
(Cortisonal).
Glicocorticóides de ação intermediária: Prednisolona (Prelone) (Predsim) (Prednisolon) –
metilprednisolona (Solu-Medrol) (Unimedrol) – prednisona (Meticorten) (Predicorten) –
triancinolona (Omcilon) (Theracort) – beclometasona (Beclosol) (Clenil)
Glicocorticóides de ação longa: Betametasona (Celestone) (Diprospan) (Candicort)
(Novacort) – dexametasona (Decadron) (Decadronal) (Duo-Decadron).
Outros fármacos destes grupos serão estudados com os medicamentos utilizados no
tratamento da rinite, e, da asma.
O fármaco beclometasona é considerado um esteróide de inalação altamente potente, e,
usado no tratamento da asma e de infecções respiratórias superiores.
A dexametasona atravessa facilmente a barreira hematoencefálica (penetrando no SNC, ao
contrário da maioria dos corticosteróides) sendo útil na profilaxia, e, tratamento do edema
cerebral.
O clobetasol (Clobesol) (Dermacare) (Psorex) é considerado como o corticosteróide de maior
potencia, sendo usado apenas topicamente como creme ou solução, e, não é recomendado seu
uso em menores de 12 anos.
Efeitos adversos:
Os efeitos adversos são comuns com a terapia a longo prazo, como: úlceras pépticas –
hipertensão arterial (com a hidrocortisona e a cortisona) – edema – aumento do apetite –
euforia, entretanto, algumas vezes ocorre depressão ou sintomas psicóticos e labilidade
emocional – aumento da gordura abdominal – face de lua cheia com bochechas vermelhas –
adelgaçamento da pele – equimoses com facilidade – fraqueza muscular e fadiga por perda de
massa muscular na região proximal do tronco e membros - reparação retardada de feridas –
tendência a hiperglicemia - supressão da resposta à infecção – supressão da síntese de
glicocorticóides endógenos – síndrome de Cushing iatrogênica – catarata – glaucoma -
osteoporose.
Os glicocorticóides podem provocar a Osteoporose porque:
1 – Inibem o crescimento e função dos osteoblastos; 2 – Diminui a absorção do cálcio
intestinal, e, aumenta excreção do cálcio renal; 3 - Inibem a duplicação das células ósseas e
síntese do colágeno I e II.
Destinadas a reduzir o perigo da supressão do eixo adrenal, a terapêutica sistêmica deve ser
feita durante o menor tempo possível e com doses mínimas possíveis, e, devem ser
administrados de manhã e em dias alternados, não devendo ser suspensos bruscamente sempre
que a terapêutica tenha sido prolongada para mais de três semanas.

FONTE: http://www.easo.com.br/Downloads/Farmacos%20Anti-inflamatorios.pdf